Novos-Amigos-Novos

Postado em 13 de abril de 2016 Por Em Life Style, Slider E 640 Visualizações

Novos Amigos Novos

Não quero mais fazer novos amigos novos neste meu período avançado de vida em que caminho cada vez mais lento e eles correm cada vez mais rápidos. Para eles, aqueles que são mais novos, o tempo é um adversário a ser vencido, para os velhos é vida a ser usufruída, tempo a ser apreciado, atentamente, buscando os detalhes ainda ignorados, os pormenores dos tons nos coloridos, as ligeiras distorções nas imagens tão voláteis, os reflexos de brilhos em nuances.

O velho quer ver o tudo do todo, perceber o minúsculo e capturar o conjunto, descobrir o ainda oculto, a rima do poeta entre as portas e janelas à vista, os sabores e aromas além da panela que crepita sobre a chama que sob ela se espalha.

Não quer amarras com os amanhãs alheios, não quer roubar a atenção deles para o mundo do seu tempo que é importante vivenciar. O velho se resguarda dos momentos loucos, das fantasias que os jovens criam e se encantam com a possibilidade de tornarem reais. Os velhos já passaram por isso, pela fase do tudo ser possível, foram jovens e fizeram amizade com os velhos de então, foram privilegiados, depois amargaram a carência daqueles velhos sábios, conselheiros da vida que já conheciam e que eles, jovens, fantasiavam ignorando a realidade que ela iria apresentar.

Jovens, devíamos a eles as orientações e referências que nos encaminharam na passagem do tempo, embora os tenham seguido, muitas vezes esqueceram-se deles se deixando levar às distrações dos cenários e sons gerados, vendo e acreditando numa realidade temporal montada para momentos fugazes. Luzes brilhantes, cores, gritos e gargalhadas, atraem, estimulam e laçam corpos jovens para momentos próprios da transformação, deles para a maturidade e das fantasias para a realidade. Tudo e cada coisa acontecendo nos momentos predestinados, num “assim esta escrito e assim será” porque existe um tempo e um calendário a ser cumprido.

Isso não incomoda, nem preocupa os velhos, pois já passaram por muitos destes períodos nos seus tempos, mas querem se preservar, evitar se for possível, sofrer as perdas daqueles jovens que fazem parte do seu aconchego. Mesmo pesarosos eles aceitam o libertar dos velhos amigos contemporâneos, afinal convivem com o ciclo natural do ser mortal: nascer, crescer, envelhecer e descansar. Também esta escrito, sendo periodicamente atualizado, o tempo médio de vida por segmento etário das populações, considerando condições e características dos países onde vivem.  Resta aos velhos que estão ficando acreditar que ainda não podem ser dispensados porque, direta ou indiretamente, estão sendo úteis aos seus iguais e, em especial, na guarda e preparação dos jovens que lhes são próximos.

Assim esta escrito e assim será!