economia-mulher

Postado em 13 de abril de 2016 Por Em Life Style E 1467 Visualizações

77% das mulheres têm dificuldade para entender investimentos

Avisão de longo prazo e o reconhecimento da importância de fazer um bom planejamento financeiro são características comuns para grande parte das mulheres, mas muitas vezes a maior dificuldade é tirar isso do papel. Estudo inédito realizado com mil  mulheres de diferentes regiões do país pelo instituto de pesquisa online Opinion Box em parceria com o site Finanças Femininas apontou que a maioria das mulheres escolhe as piores opções de investimento.
De um modo geral, os dados mostram que o público feminino tem a preocupação com o futuro, mas ao mesmo tempo tem dificuldade de seguir à risca o planejamento que faz. Somado à falta de regularidade para juntar dinheiro, vem a escolha por opções de investimento com retorno pouco interessante,  como é o caso da poupança, ou os títulos de capitalização, que não devem nem ser considerados como um tipo de investimento.
De acordo com o levantamento, pelo menos 7 em cada 10 mulheres colocam dinheiro na caderneta de poupança (73,3%). Na sequência, aparecem 19,6% das entrevistadas dizendo que nunca investiram e outros 19,1% respondendo que aplicam o dinheiro nos títulos de capitalização. Esse perfil também condiz com outro dado relevante na pesquisa: pelo menos 7 em cada 10 mulheres têm dificuldade em entender as diversas formas de investimento (77%).
O estudo mostrou ainda que somente 1,5% das entrevistadas optou por investir em Tesouro Direto, uma aplicação de baixo risco tal qual a poupança, porém com retorno muito superior, mesmo com incidência do Imposto de Renda. Para se ter uma ideia, em abril deste ano a inflação acumulada em 12 meses (8,13%)  já é superior ao rendimento da poupança em um ano (6,93%), ou seja, a inflação já “comeu” todo o rendimento da poupança. No caso doTesouro Direto, existem papeis pré-fixados que permitem que a investidora tenha o mesmo rendimento da inflação, além de uma taxa pré-estabelecida, como é o caso do Tesouro IPCA (antiga NTN-B). Ou seja, ela não corre o risco de perder o poder de compra em caso de alta excessiva da inflação.

Muita gente deixa de fazer a opção pelo Tesouro Direto – ou por outras modalidades de investimentos conservadores – por falta de informação. Entre outras opções de renda fixa, menos de 2% das entrevistadas disseram investir em LCIs ou LCAs, bem como o CDB correspondeu a somente 5,9% das respostas.
Planejamento e vontade de aprender
A mudança do padrão apontado na pesquisa depende de basicamente dois fatores: interesse em aprender a investir e disciplina para guardar dinheiro. O primeiro passo está adiantado, mas o segundo ainda precisa de aprimoramento. O levantamento apontou que 63,6% das entrevistadas poupam dinheiro, contra 36,3% que disseram nunca ter dinheiro de sobra ao fim do mês. Entre as que conseguem incorporar na rotina o hábito de poupar, 48,1% não fazem isso com regularidade, enquanto 15,6% já estão em um patamar mais adiantado e conseguem guardar uma quantia estabelecida ao final de cada mês.
Questionadas sobre ter um planejamento financeiro, 4 em cada 10 mulheres (44,3%) disseram que têm, mas acham difícil segui-lo na prática. Outros 30% não possuem nenhum planejamento, enquanto 25,7% delas disseram ter um planejamento e sonhos bem definidos.
Essa variedade de comportamentos em relação ao planejamento financeiro pode ser justificada pela dificuldade existente em poupar dinheiro ao fim de cada mês. Sobre este assunto, 37,5% das entrevistadas disseram não conseguir guardar dinheiro todo mês. Outros 23,4% disseram conseguir, mas sem um valor fixo, enquanto outros 20,5% poupam menos de 10% do salário.
Se por um lado os dados mostram que existe uma grande dificuldade em fazer o dinheiro sobrar ao fim do mês, por outro a pesquisa mostra que as mulheres querem desmitificar o universo dos investimentos e querem aprender a ganhar mais dinheiro. Questionadas sobre os principais interesses quanto a finanças pessoais, a maioria respondeu “aprender a ganhar mais dinheiro” (36,8%), seguido de “aprender a investir” (36,7%).

Uma dica para ter mais autocontrole que vai te surpreender

Com espaço para você comer o que gosta, fazer dieta fica muito mais fácil. Da mesma forma, dá para aplicar isso na nossa vida financeira.
Sabe a minha fórmula para equilibrar o orçamento do 50/30/20? A ideia é a seguinte: 50% do seu salário vai para os seus gastos essenciais (alimentação, moradia, alimentação, etc), 30% para os supérfluos e 20% para a sua poupança. Com a fórmula, você consegue separar 30% para gastos para o seu prazer: compras, jantares, lazer, viagens, etc.
Se você pegar a mesma filosofia da dieta, você separa uma verba mensal para gastar com besteiras, dentro deste 30%. Este dinheiro você pode gastar como quiser – e isso não vai afetar o seu orçamento. No fim do mês, não vai ter impacto nas suas contas – pois foi tudo planejado.
Encarar os seus gastos desta forma é bacana, pois te permite manter uma “dieta financeira” mais rígida, mas sem extremismos. É o equivalente da pizza semanal na minha dieta!
Nestes tempos difíceis, com recessão e desemprego, todo mundo vai ter que apertar o cinto um pouco. Adotar esta técnica pode te ajudar a passar por esse período sem tanto sofrimento.

 

Fonte: Da Redação @financasfemininas #financasfemininas | www.financasfemininas.com.br