Saude e Beleza das unhas

Postado em 14 de agosto de 2014 Por Em Estética E 2805 Visualizações

Saúde e beleza das unhas

As unhas, principalmente das mãos, são um dos principais cartões de visitas femininos. Mas elas não possuem unicamente função estética: ao contrário, são de extrema importância no desempenho de todas as atividades manuais de precisão encontradas no cotidiano. Já as unhas dos pés, além de possuir função protetora, contribuem para uma correta biodinâmica do pé.

“Muitas pessoas reclamam de algum problema com as unhas. As queixas mais comuns são unhas quebradiças, secas, descascando ou com micose. Unhas em boas condições são atraentes e refletem a saúde do indivíduo, além de hábitos pessoais”, comenta a Dra. Daniela Schmidt Pimentel (CRM-SP 112.165), médica assistente e colaboradora do Serviço de Dermatologia da Faculdade de Medicina da Universidade de Santo Amaro, integrante do corpo clínico do Hospital Sírio Libanês e da Clínica Ephesus, em São Paulo.

 Unhas frágeis

A unha quebrada não é só esteticamente desagradável, mas os seus fragmentos enroscam facilmente em tecidos. Com frequência, as pessoas se preocupam muito pelo fato de acreditar que a fragilidade ungueal (a parte abaixo das unhas das mãos e dos pés) seja expressão de carências orgânicas ou alimentares. “As unhas também podem revelar o estado de saúde de uma pessoa, causar muito desconforto quando encravam ou crescem com alterações em sua formação, além de sinalizar carências de vitaminas, sais minerais e outros nutrientes, quando apresentam manchas esbranquiçadas ou enfraquecimento”.

De acordo com a dermatologista, a fragilidade ungueal pode aparecer como condição idiopática, como sintoma de diversas doenças dermatológicas ou pode acompanhar problemas sistêmicos. “A fragilidade das unhas é um mal que atinge especialmente as mulheres e está ligada, em geral, à vaidade e ao tipo de atividade desempenhada”.

Causas externas e orgânicas

Dentre as causas mais comuns estão a exposição a detergentes, esmaltes e seus removedores, principalmente aqueles à base de acetona, que causam ressecamento da lâmina ungueal: lavagens frequentes, sobretudo com água quente que causam desidratação. Traumatismos repetidos, como em quem digita por longos períodos, também aumentam a fragilidade das unhas e facilitam a descamação.

 

Além dos fatores externos, as unhas também podem sofrer alterações geradas por motivos internos, como uso de alguns medicamentos para doenças da tireóide e menopausa, anemia, má nutrição, anorexia nervosa, carências vitaminicas – B6, A, C, E, biotina – como após doenças crônicas ou dietas de emagrecimento. Outro fator que naturalmente pode levar ao enfraquecimento é o próprio processo de envelhecimento que produz áreas mais frágeis na matriz das unhas, causando estrias longitudinais que dão aspecto frágil e rugoso às unhas.

Outro problema

Não é só a fragilidade ou a descamação que afeta a beleza e saúde das unhas. Outro problema bem comum é o encravamento delas. Isso ocorre quando uma das pontas da unha, ao crescer, literalmente “penetra” na pele ao seu redor. O processo decorre de um aumento na pressão sobre a unha ou suas pregas, causado, principalmente, pelo ato de cortá-las de forma errada ou usar sapatos apertados ou pontiagudos. “O encravamento se caracteriza pela inflamação e vermelhidão dos cantos das unhas que podem, até mesmo, formar um tecido inflamado que secreta pus e provocar dores com intensidade variada”, explica a Dra. Daniela.

A unha encravada pode ser classificada em Grau I (só há queixa de dor); Grau II (além da dor, há uma secreção sanguínea ou seropurulenta) e Grau III (dor, secreção e hipertrofia da área acometida).

Diagnóstico x tratamento

Para identificar e tratar qualquer dano, duas atitudes são essenciais: buscar um diagnóstico preciso com um dermatologista e ter consciência de que é vital mudar os hábitos que colaboram para a fragilidade das unhas. No caso de unhas fracas, o tratamento adequado só poderá ser prescrito após investigação clínica das causas que levaram a este enfraquecimento, tais como anemia, disfunções da tireoide, doenças autoimunes, deficiência de ferritina (comum em pacientes que não comem carne vermelha), de zinco e de algumas vitaminas.

Hoje, há no mercado uma infinidade de produtos que podem auxiliar no fortalecimento delas. O destaque é para os cosméticos que contêm queratina, pantotenato de cálcio e uréia, esta última é importante ativo para a hidratação das unhas. Existem também vitaminas por via oral que possuem em sua formulação vitamina B12 e biotina que auxiliam no fortalecimento da lâmina ungueal. Entre as substâncias hidratantes, uma boa opção é a Vitamina E tópica porque deixa a pele das mãos com textura macia e hidrata a cutícula.

Em relação às unhas encravadas, os casos mais leves (Grau I) podem ser tratados com métodos conservadores, que incluem tratamentos com antibióticos ou anti-inflamatórios tópicos, colocação de algodão entre a unha e a borda lateral e uso de órteses acrílicas. Nos casos mais graves (Grau II e III), são indicadas cirurgias que retiram a parte da matriz e lâmina da unha envolvidas no processo de encravamento, da borda ungueal lateral hipertrófica e do tecido inflamado. “Estas cirurgias só devem ser realizadas por médicos. Para prevenir a unha encravada, recomenda-se evitar sapatos apertados; evitar arredondar a borda das unhas ao aparar – elas devem ser cortadas no formato quadrado – e evitar cortar em excesso”, recomenda a dermatologista.

Dicas de cuidados

• Evitar traumas, ambientes úmidos, substâncias químicas;

• O corte das unhas deve ser reto, evitando arredondar os cantos para evitar a formação de unhas encravadas;

• Se a unha encravar, procurar orientação médica, evitando ficar cutucando os cantos, pois somente piora o quadro e não resolve;

• Usar luva de algodão sob as luvas de borracha quando for manipular produtos químicos;

• Aplicar hidratantes tópicos, à base de uréia, alfa-hidroxiacidos, ácido lático, colágeno, sobre as unhas várias vezes ao dia;

• Consumir alimentos que contenham oligoelementos (ferro, zinco e selênio), vitaminas (B6, A, C, E, biotina) e aminoácidos (cistina, arginina, ácido glutâmico), necessários para o correto crescimento da unha;

Dra. Daniela Schmidt Pimentel (CRM-SP 112.165) – Graduada em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de Santo Amaro com Residência Médica em Clínica Médica pela Universidade de Santo Amaro e Residência Médica em Dermatologia pela Universidade de Santo Amaro. É membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), médica assistente e colaboradora do Serviço de Dermatologia da Faculdade de Medicina da Universidade de Santo Amaro. A especialista também integra o corpo clínico do Hospital Sírio Libanês e da Clínica Ephesus, em São Paulo. www.clinicaephesus.com.br

Saúde e beleza das unhas